Nenhum produto no carrinho.

Subtotal: R$0,00

Atendimento:

(31) 3072 1171

Mais Imagens

Livro - E se for a B12?

Seja o primeiro a avaliar este produto

Livro E se for a B12? Uma epidemia de diagnósticos incorretos


CÓD. BARRAS: 978855754014-9
NÚMERO DA EDIÇÃO: 1 (português)
IDIOMA: Português
MARCA: Editora Laszlo
I.S.B.N.: 978-85-5754-014-9
ALTURA: 23cm
LARGURA: 16cm
PROFUNDIDADE: 2,3cm
NÚMERO DE PÁGINAS: 532
ACABAMENTO: Brochura

Disponibilidade: Em estoque

R$90,00

Detalhes

Você ou alguém que você ama sofre de alguma destas doenças ou distúrbios?

Doença de Alzheimer . Demência . Esclerose múltipla . Austismo . Depressão . Fadiga e cansaço que nunca passa . Doença mental . Desenvolvimento lento . Infertilidade . Quedas frequentes . Constante esquecimento . Memória péssima . Impotência sexual . Sono péssimo e não restaurador . Comportamento suicida . Bipolaridade . Alucinações . Perdeu o brilho e e disposição para a vida.

O tratamento médico que estão fazendo não está dando certo?

Então é bem provável que você sofra de deficiência de B12?

A Editora Laszlo tem o orgulho de trazer ao Brasil a tradução de um dos livros mais importantes da atualidade que traz o alerta médico sobre uma epidemia que vem afetando grande parte da população mundial, a deficiência de vitamina B12.

Poucos sabem que uma vitamina tão simples, quando em deficiência, pode ter um impacto tão devastador na saúde das pessoas. Sua deficiência não ocorre apenas em vegetarianos, mas carnívoros também sofrem deste deficit devido ao estilo alimentar e de vida da atualidade.

Para piorar a situação, os exames de laboratórios no Brasil trazem valores de referência defasados e que, se tomados como corretos pelo médico, podem causar erros de diagnóstico e tratamentos ineficazes com medicamentos que não resolvem a causa raíz do problema.

A deficiência de B12 é uma crise de saúde pública que a maioria dos médicos desconhecem e que atinge milhões de pessoas no mundo. Mas que pode ser curada com um tratamento barato se você for diagnosticado a tempo.

Este é um livro importantíssimo que tem salvado muitas vidas. Ele traz preciosas informações científicas sobre a vitamina B12, sendo considerado uma leitura obrigatória para médicos e pacientes!

Um livro que vai mudar sua vida!

 

O que estas pessoas têm em comum?

 ◇◇Um jornalista de 40 anos começa a perder sua capacidade de escrita, a cair quando tenta caminhar e fica tão desorientado que sua esposa suspeita de um quadro precoce de Alzheimer.

 ◇◇Um lindo bebê de 8 meses começa a perder a articulação vocal, para de responder aos seus

pais e perde a capacidade de se sentar.

 ◇◇Uma mulher de 20 anos entra em depressão profunda e tenta o suicídio.

 ◇◇Uma bailarina se submete a uma cirurgia plástica e quase perde a capacidade de andar.

 ◇◇Uma mulher de 69 anos apresenta problemas de equilíbrio, passa a sofrer quedas e sofre uma fratura de quadril.

 ◇◇Uma mulher de 38 anos acaba condenada à cadeira de rodas após uma cirurgia bariátrica.

 ◇◇Um homem de 86 anos começa a sofrer alucinações.

 ◇◇Uma mulher de 54 anos vivencia alucinações paranoides e acessos violentos acompanhados de sintomas que seu médico diagnostica como esclerose múltipla.

 ◇◇Um garoto de 4 anos é diagnosticado com autismo.

 ◇◇Um homem de 73 anos sofre quedas recorrentes e é diagnosticado por seu médico como vítima de mini-AVCs.

 ◇◇Uma mulher jovem infértil.

 ◇◇Um avô se transforma, em menos de um ano, de um corredor saudável em um homem confuso e deprimido diagnosticado com demência senil.

 

Há algo que esses pacientes não possuem em comum: um diagnóstico correto. Em vez disso, são submetidos a uma infinidade de diagnósticos equivocados, geralmente desenganadores: atraso de desenvolvimento, autismo, esclerose múltipla, psicose, demência senil, ataque isquêmico transitório, depressão ou neuropatia diabética. Na verdade, todos eles sofrem da mesma condição médica: deficiência de vitamina B12

 

 

Prefácio

 Recentemente, em uma conferência na Europa em que eu e Sally Pacholok discursamos, demonstrei aos participantes do evento o quanto eu estimava este livro, dizendo que, para onde quer que eu viaje, dois livros sempre me acompanham. Um e a Bíblia Sagrada. O outro e o livro

da Sally E se for a B12?. E se for a B12? trata apenas da verdade e, ao fazê-lo, traz um pouco de vida aqueles com deficiência de vitamina B12 que estavam perdendo sua vivacidade por completo.

 Os autores, Sally M. Pacholok, BSN, e Jeffrey J. Stuart, DO, comprometeram-se com essa nobre causa. Transformaram este livro em um recurso inestimável para estudantes de medicina, médicos em atividade e outros profissionais de saúde. E, mesmo que esteja escrito de forma cientifica e altamente profissional, seus autores conseguiram torna-lo claro e simples o

suficiente para ser utilizado pelos próprios pacientes com deficiência de B12, seus familiares e amigos.

 E uma pena que, apesar de toda a evidencia agora disponível, a comunidade medica seja levada a crer que tal condição afeta apenas o sistema hematopoiético – em outras palavras, que causaria um simples distúrbio sanguínea, provocando anemia e produzindo hemácias megaloblásticas (nocivas) na medula.

 O que os autores realizaram neste livro memorável foi o estabelecimento do oposto: a deficiência de B12 como uma doença/síndrome metabólica multifocal, multissistêmica e poliglandular.

 O interesse de Sally pelo problema se iniciou em 1985, quando ela mesma passava por diagnósticos incorretos sucessivos, apesar da megaloblastose típica e do indicativo claro de histórico familiar de deficiência da vitamina.

 Isso a encorajou, como uma enfermeira de emergência, e também a seu marido, Jeffrey, um osteopata especializado em Medicina de Urgência, a conduzirem sua própria pesquisa, assim como a reunir, analisar e coletar um grande número de artigos publicados por universidades respeitáveis e pesquisadores renomados.

 Desde que li E se for a B12?, em 2005, cinco citações do livro continuam retornando a minha memória. Eu me perguntei por que. E me dei conta de que também estava carregando o mesmo fardo que Sally e Jeffrey, desde que enfrentei o meu primeiro caso de deficiência de B12, em 1981. Desde então, tenho diagnosticado, tratado e monitorado continuamente mais de mil pacientes com a condição – 18% de toda a população que já tratei, em contraste com o 0,01% diagnosticado nacionalmente.

 As cinco citações impressionantes do livro:

 ◇ Médicos respeitáveis haviam lutado para trazer à luz a epidemia de deficiência de B12,

mas perderam a batalha. Que chance eu teria de fazer alguma diferença?

 ◇ Uma epidemia está à solta, invisível ao público e virtualmente não detectada pelos

profissionais de saúde.

  Mas eu não podia me conciliar com um desfile de vidas arruinadas devido à falha na

detecção e tratamento de um distúrbio simples de se identificar, tratar e curar.

  Essa é uma das mais evitáveis e curáveis de todas as condições médicas – mas apenas

se escolhermos agir.

  Juntos, podemos cortar essa epidemia pela raiz.

 

Pergunto-me o porque de esse conhecimento crucial – baseado em evidencia – acentuado no livro não ser aceito e o porque de o diagnóstico e tratamento da deficiência de B12 não fazerem parte da pratica comum ao redor do mundo.

 Ha uma maquinação deliberada para suprimir e tirar o credito desse conhecimento e das pessoas que batalham para chamar a atenção do mundo para ele? Quem está lucrando com o bloqueio desse tratamento simples e inócuo? Ele pode salvar pacientes de uma existência miserável, que eventualmente os leva a uma morte prematura, lenta e dolorosa. Cuidar desses pacientes no decorrer de seu problema médico, geralmente prolongado, custa bilhões de dólares ao governo. E aos familiares custa não apenas dinheiro, mas também tempo e sofrimento.

 Ainda assim, seguem alguns fatos alarmantes:

 ◇◇ A atenção dada a deficiência de B12 por entidades medicas e governamentais só diminui.

 ◇◇ A consciência sobre essa condição e praticamente inexistente entre as gerações atuais de médicos e neurologistas.

 ◇◇ Informações sobre essa deficiência são menosprezadas e até apresentadas de maneira confusa na maior parte das edições recentes de livros médicos respeitáveis.

 Mesmo quando sabem que deveriam tratar pacientes de acordo com a boa pratica medica (investigar, diagnosticar, tratar e salvar vidas), os clínicos tem medo de iniciar o tratamento pelo fato de não haver diretrizes nacionais atualizadas. Isso resulta em diagnósticos incorretos em escala global, tratamentos incorretos, sofrimento e mortes trágicas.

 E um enorme desafio tentar modificar ideias medicas arraigadas, principalmente quando conduzem a morte ou a deficiência física ou mental de pacientes. E um desafio ainda maior quando as companhias farmacêuticas fazem milhões de dólares anualmente por meio da promoção de medicamentos que apenas mascaram os sintomas da deficiência de B12, representando um grande peso contra aqueles que buscam por uma cura.

 Mas, Sally e Jeffrey, por favor, não se desanimem. Nós, aqui no Reino Unido, e muitos outros ao redor do mundo os admiramos e amamos, e somos gratos a vocês dois por sua grande contribuição.

 Aquele que perseverar até o fim, colherá a recompensa no devido tempo.

 

Joseph Chandy (Kayalackakom), MD

Medico do Serviço Nacional de Saúde do Reino Unido (National Health Service – NHS). Vencedor do prêmio Glory of Índia em 2010, por cuidados médicos comunitários

  

Sally Pacholok, R. N., B. S. N., uma enfermeira de unidades de emergência com 24 anos de experiência, recebeu seu bacharelado em enfermagem da Universidade do Estado de Wayne (Wayne State University). Antes de entrar no campo da enfermagem, recebeu o título de tecnóloga em ciências aplicadas com menção honrosa. Também é técnica médica em emergência avançada (Advanced Emergency Medical Technician, A-EMT) e trabalhou como paramédica antes e durante a faculdade de enfermagem. Trabalhou no atendimento à saúde ao longo de 32 anos e cuidou de milhares de pacientes. Além disso, é professora de cuidados cardíacos avançados (Advanced Cardiac Life Support, ACLS) e auxiliou instrutores em uma faculdade local no treinamento de paramédicos. É professora de curso de enfermagem essencial (Nursing Core Course, TNCC), de enfermagem pediátrica de emergência (Emergency Nurse Pediatric Course, ENPC) e membro da Associação de Enfermeiros de Emergência (Emergency Nurses Association – ENA).      

Em 1985, Pacholok se diagnosticou com deficiência de vitamina B12, após seus médicos falharem em identificar sua condição. Como resultado, ela se apaixonou pela ideia – necessária – de se informar o público sobre as consequências perigosas dessa doença oculta e tão comum.

  

Jeffrey J. Stuart, D. O., um osteopata que praticou medicina de emergência por 18 anos, tem ampla formação em seu campo. Também possui certificado em suporte avançado ao trauma, suporte cardíaco avançado, suporte pediátrico avançado e ressuscitação neonatal. Stuart recebeu seu título de osteopata na Faculdade de Medicina Osteopática de Chicago (Chicago College of Osteopathic Medicine). Seu treinamento inclui amputação e desconta-minação de materiais perigosos, e ele também participou de sessões de treinamento com a equipe SWAT do Aeroporto Metropolitano de Detroit. O Dr. Stuart participou de pesquisas de neurociência visual no Instituto Nacional de Saúde Mental (Institute of Mental Health), em Bethesda, Maryland, em 1987, e esteve envolvido em uma pesquisa sobre o metabolismo do colesterol no Hospital Universitário da Universidade Rockefeller (Rockefeller University Hospital), em Nova York, em 1985. Ele é membro da Associação Osteopática Ame-ricana (American Osteopathic Association), da Faculdade Americana de Médicos Osteopatas de Emergência (American College of Osteopathic Emergency Physicians), da American College of Osteopathic Emergency Physicians (Macomb County Osteopathic Medical Association) e da Associação Osteopática de Michigan (Michigan Osteopathic Association).

Informação Adicional

Volume Outros

Comentários

Queremos saber sua opinião

Apenas usuários registrados podem comentar. Por favor, identifique-se ou cadastre-se

Tags do Produto

Use espaços para separar as tags. E aspas simples (') para frases.

Comente: